sábado, 3 de junho de 2017

Goiânia recebe "3001 Proyecto Piazzolla" - Argentina


Pela primeira vez no Brasil e trazendo para nossa cidade Goiânia, a renomada cantora Elena Roger e o Grupo Escalandrum, que tem a frente da direção musical o baterista Daniel “Pipi” Piazzolla, neto do lendário Astor Piazzolla.

Um espetáculo de tirar o fôlego em homenagem ao mestre do tango moderno. O Disco, que leva o mesmo nome do show, acaba de ser indicado ao Prêmio Gardel 2017, mais importante prêmio da música argentina, na categoria "Álbum do Ano".




No repertório, interpretam clássicos de Astor Piazzolla como “Balada para un loco”, “Los pájaros perdidos”, “Milonga de la anunciación” e “Oblivion”.

A turnê começa por Goiânia e percorrerá outras cinco cidades brasileiras. O espetáculo “3001 – Proyecto Piazzolla” é parte de uma série de homenagens pelos 25 anos de morte de Astor Piazzolla, criador do tango moderno argentino.

A ideia desse encontro nasceu em 2012 em Nova Iorque quando Elena Roger, em cartaz com o musical “Evita” na Broadway, foi assistir o show de Escalandrum no mítico Birdland. No ar ficou a vontade de compartilhar projetos, que em 2016, começaram concretizar-se, até chegar ao que hoje se chama 3001. 


Sobre Escalandrum:

Sua proposta artística já foi em mais de 40 países na Europa, Ásia e nas Américas e tem oito discos editados.

O grupo instrumental participou de festivais de jazz no mundo todo. Entre outras distinções, recebeu o Premio “Konex de Platino” como Melhor Grupo de Jazz da década 2005-2015 e um “Gardel de Ouro” no ano 2012 pela trajetória. Estes prêmios são os mais importantes da música na Argentina.

Compartilharam palco com artistas Internacionais como Dave Holland, Ute Lemper, Buika, Julieta Venegas, entre outros.

Em 2011 Escalandrum apresentou seu disco “Piazzolla plays Piazzolla”. A repercussão do público e a imprensa foi estupenda e receberam uma nomeação aos Latin Grammy Awards na categoria “Melhor Álbum Instrumental".


Sobre  Elena Roger:

Ela é reconhecida e premiada tanto na Argentina como no exterior. 
Protagonizou musicais emblemáticos em Londres, Madri, Broadway e Buenos Aires. “Evita”, “Piaf”, “Passion”, são alguns de seus trabalhos mais destacados e pelos quais obteve um grande reconhecimento do público e da imprensa.

Foi nomeada aos Prêmios “Olivier” com as três obras que protagonizou no Reino Unido; premio que obteve por seu papel principal na obra PIAF que levou as lágrimas ao público inglês. É a única argentina que ha recebido este premio até o momento.
Em 2011 obteve na Argentina o Premio “Konex” a “Melhor Atriz de Comedia".



SERVIÇO:


Data: 14 de junho - quarta-feira

Horas: 20h

Onde: Av. João Leite, nº 1.013, Setor Santa Genoveva, ao lado do Clube Antônio Ferreira Pacheco - Informações: (62) 4002-6213

Quanto: R$ 120,00 -  platéia inferior(centro), R$ 100 - platéia inferior(laterais), R$ 80,00 platéia superior R$ 60,00 - platéia inferior(centro) - meia entrada, R$ 50,00 - platéia inferior(laterais) - meia entrada, R$ 40,00 - platéia superior - meia entrada

Ingressos: No site da EventBrite: migre.me/wxdEe Informações: (62) 3210-3634 /
99933-7522 – pandproducao@gmail.com



quarta-feira, 12 de abril de 2017

Paulo Gustavo chega a Goiânia com o espetáculo ‘Online’



Espetáculo Online de Paulo Gustavo em Goiânia...... =)
pessoas que passam mais tempo ligadas ao mundo virtual do que no real. O ator e humorista Paulo Gustavo é um deles. Fica plugado na internet o tempo todo e posta no Instagram, no Snapchat, no Facebook quase ao mesmo tempo em que faz teatro, cinema e televisão. No palco, onde encena Online, o ator canta, dança, atua, dirige e trata exatamente dessa ‘dependência’ que marca os tempos modernos. O espetáculo estará em cartaz nos dias 29 e 30 de abril, no Teatro Rio Vermelho, em Goiânia, OBAAAA!!!!!

O enredo do espetáculo retrata um dia na vida de um homem que está o tempo todo online fazendo tantas e variadas coisas que acaba por não fazer bem coisa nenhuma.“Parece que a gente nunca está sozinho. Isso cria uma série de situações tristes, assustadoras, preocupantes mas que, sobretudo, fazem rir. É preciso olhar para esse nosso dia a dia com humor, porque não tem mais volta. Estamos todos online”, afirma o ator.


O espetáculo é um misto de musical, dança, dramaturgia, stand up. Os efeitos visuais valorizam elementos que remetem à conectividade tão presente no dia a dia de quem usa e abusa das redes sociais e da troca de informações instantâneas. Tanta facilidade de encontros, tanta troca de informação, tanta gente interconectada pode até parecer ótimo, mas pelo ponto de vista de Paulo Gustavo, beira o insuportável sem deixar de ser divertido.


Online foi escrita em parceria com Fil Braz, parceiro habitual, em projetos como “220 Volts” (série e espetáculo), “Minha Mãe É uma Peça” (filme) e “Vai Que Cola” (série e filme). Com Paulo Gustavo atua um elenco formado por Aldo Perrotta, Danilo Sacramento, Lucas Drummond, Ana Terra Blanco, Izabella Bicalho, Pia Manfroni e Rita Fischer. João Fonseca assina a supervisão de direção. O músico Zé Ricardo é responsável pelos ares de musical, com coreografias de Renata Guanabara, bom com essa turma não tem erro é sucesso na certa!



A cenografia e o uso inteligente da tecnologia a serviço do que o espetáculo quer comunicar é um show à parte. 


Paulo Gustavo é um dos humoristas mais dinâmicos desta nova geração. Estreou nos palcos em 2004, quando integrou o elenco da peça “O Surto” e apresentou ao público a divertida dona Hermínia. No ano seguinte, formou-se na Casa de Arte das Laranjeiras (CAL), junto com Fábio Porchat e Marcus Majella.


O monólogo “Minha mãe é Uma Peça” foi lançado em 2006 e pode ser considerado um marco na carreira do artista. Em 2013, foi para os cinemas como um longa metragem, e esteve entre os filmes mais assistidos do ano. Em 2015 virou livro e este ano, entrou em cartaz com “Minha mãe é Uma Peça 2” que já foi visto por quase 9 milhões de espectadores, em menos de dois meses mês após o lançamento, se tornando uma das maiores bilheterias da história.



Fora dos palcos, Paulo Gustavo apresenta desde 2011 o humorístico 220 Volts, um dos programas de maior audiência do Multishow, participou de produções como o filme “Divã”e a série homônima, onde interpretou o cabeleireiro Renée, e de séries como “Minha Nada Mole Vida”, “A Diarista”, “Casos e Acasos” e “Sítio do Pica-pau Amarelo”. Para este ano está cotada a sua participação no filme "A História de São Francisco de Assis", no qual ele irá interpretar o personagem-título. 




Ficha Técnica:



Texto – Paulo Gustavo e Fil Braz

Colaboração de texto - Leandro Soares

Direção – Paulo Gustavo

Supervisão de Direção – João Fonseca

Elenco – Aldo Perrotta, Danilo Sacramento, Lucas Drummond, Ana Terra Blanco, Izabella Bicalho, Pia Manfroni e Rita Fischer.

Cenário – Zé Carratu

Figurinos – Fause Haten

Música e Trilha Sonora – Zé Ricardo

Iluminação - Marcos Olivio

Coreografa – Renata Guanabara

Produção – Claudio Tizo e Híbrido Eventos

Produção Local – Cia de Sucessos

Assessoria de Imprensa Goiânia: FatoMais Comunicação

Classificação Etária: 14 anos

Duração: 80 minutos


Serviço:



“Online”, com o ator Paulo Gustavo



Local: Teatro Rio Vermelho - Endereço Rua 4 nº 1.400 - Centro


Dia 29 de abril (sábado), às 21h / Dia 30 de abril (domingo), às 20h



terça-feira, 11 de abril de 2017

Show Primeiramente






Música pra se ouvir lutando

Um show musical feito para provocar, nos dias 27 e 28 de Abril, o Teatro SESC - centro recebe o show musical PRIMEIRAMENTE. Com vocais, guitarra e violão de Ingrid Lobo e bateria e percussão de Paula Bernades, o show traz como novo elemento a participação da atriz Isabella Naves que fará intervenções poéticas, além de ‘provocações’ com a platéia.

Com direção assinada por Wellington Dias, que é ator e diretor de teatro com 27 anos de experiência, acumula prêmios em diversos festivais pelo país e atualmente é Conselheiro de Cultura de Goiás, vem agora se dedicar à música pela primeira vez e vê no trabalho como uma grande oportunidade de pôr em prática o que chama de seu mantra: ‘Não importa o quanto esbravejem, terão que aceitar que nenhuma mulher voltará pra cozinha, nenhum negro voltará pra senzala e nenhum gay voltará pro armário!’
O repertório traz grande diversidade de músicos e bandas brasileiras como Elza Soares, Chico Buarque, Legião Urbana, Mulamba entre vários outros.

No show, as artistas revisitam clássicos e novidades da MPB para refletir o que chamam de ‘retrocesso’ na sociedade. ‘Todos os dias nos sentimos vilipendiados, agredidos por governantes que não se enxergam como representantes do povo e legislam apenas para garantir o seu direito como opressor da sociedade’ elenca Isabella Naves.

As músicas foram escolhidas por seu teor de reflexão não apenas político mas também humano, já que os artistas se dizem preocupados com o ‘clima de ódio’ que parece estar tomando conta do mundo como um todo. ‘Antigamente tinha uma impressão que estávamos no caminho certo de aceitação e liberdade individual. Mas o que vemos é um retrocesso que parece vir do mundo todo! As Redes Sociais viraram um lugar para agredir e ofender quem pensa diferente de nós. Mesmo sociedades historicamente tolerantes parecem estar andando pra trás, como é o caso da Europa e, claro, do Brasil!’ ressalta Ingrid Lobo.

Por se tratar de um show com apenas duas musicistas, as canções serão vistas com uma nova roupagem já que todas tiveram que ser rearranjadas ganhando uma pegada mais rock, não deixando a suavidade de lado, garante Paula Bernades.

Único homem no espetáculo, Wellington Dias gosta do estilo rock in roll do trabalho por acreditar que ele tem essa cara de espetáculo de meninas: Forte, corajoso e empoderado! O diretor garante que não se sente desconfortável nesse universo feminino 'Cheguei a esse mundo pelas mãos de uma delas e desde então, as mulheres têm me mostrado o caminho da luta, da força e da reinvenção. Estar ao lado delas é como estar de volta ao lar".

 Ficha Técnica:
Ingrid Lobo – voz, guitarra e violão, iniciou sua carreira com 07 anos de idade e tem bastante experiência apesar da pouca idade.

Paula Bernades – Bateria e percussão, é musicista e professora de música.

Isabella Naves é atriz e jornalista, atualmente trabalha na Cia. de Teatro Sala 3 e no Grupo de Teatro Fábrica de Teatro.

Wellington Dias - Direção

Richardson Umbelino: Fotografia e vídeo de divulgação

Rodrigo Fontnelly: Cenografia

 

SERVIÇO:

Show Musical: PRIMEIRAMENTE

Datas: 27 e 28 de abril de 2017

Horários: 20h

Local: Teatro SESC Centro (Rua 15 c/ Rua 19, Centro). Tel.: 62 3933-1700.

Ingressos:
Segunda a Sexta-Feira:
R$ 7,00 comerciários e dependentes / R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 meia-entrada
R$ 8,00 conveniados

Venda: Bilheteria do Teatro SESC Centro ou
https://www.bilheteriadigital.com/teatrosesccentro
Mais informações: 62 3933-1700.

Gênero: show musical
Classificação: 10 anos / Duração: 90 min

Contatos: Wellington Dias - (62) 99213-6814 – WhatsApp /
donnedias1@gmail.com
                 Isabella Naves – (62) 98300-9410 – WhasApp / isanaves11@gmail.com
  

sexta-feira, 31 de março de 2017

Musical A Fabulosa Fábrica de Chocolate estréia em Goiânia



Estréia em Goiânia dia 09 de abril, às 17h no Teatro Madre Esperança Garrido, o espetáculo A FABULOSA FÁBRICA DE CHOCOLATE, um musical infantil de Luiz Roberto Pinheiro.
O diretor é referência no teatro infantil, reconhecido nacionalmente pela maturidade da direção e qualidade de seus trabalhos.

SOBRE O ESPETÁCULO
O encantamento dos mestres da literatura infantil universal, passando dos Irmãos Grimm a Lewis Carroll, e nacional, desde Monteiro Lobato, Ziraldo e até Pedro Bandeira, são recorrentes para abrir a mente dos pequenos para a fantasia. Um convite a uma viagem lúdica.  Esse é o repertório da Pinheiro Produções Artísticas.

Cores, muito brilho, efeitos multimídias, cenários virtuais, adoção de clássicos recursos do teatro, a exemplo do ilusionismo, com um texto enxuto, atores bem ensaiados e uma direção que passeia por todos os segmentos, sabendo a exata importância de cada um desses elementos,  e isso,  tornaram-se marcas efetivas dos musicais da Pinheiro Produções Artísticas.

Esses seriam – ou são – dados comuns de uma companhia teatral bem-sucedida em qualquer parte do mundo. Ocorre que aqui essa função fica ainda mais nobre e importante: a formação de platéias para o teatro, já que as peças da Pinheiro Produções Artísticas são encenadas para crianças com idade a partir de 3 anos. Dificilmente o espectador mirim da Pinheiro Produções deixa o teatro de lado. Cresce mais consciente e torna-se assíduo frequentador de novas peças teatrais.

Além dessa relevante questão, faz-se necessário informar o envolvimento da Pinheiro Produções Artísticas,  com a classe teatral na cidade onde nasceu a companhia.

A companhia absorve tanto jovens artistas formados em escolas de arte como o Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França, como professores, artesãos e nomes consagrados do teatro goiano, a exemplo de Sandro Freitas (Grupo Trupicão), a atriz e diretora Tetê Caetano e o coreógrafo João Bragança, coreógrafo e ex-bailarino da conceituada Quasar Companhia de Dança.
                                                                             
Realizar musicais infantis com extrema qualidade é, portanto, a forma que a Pinheiro Produções Artísticas encontrou para dar a sua contribuição ao desenvolvimento e formação de futuros adultos com maior sensibilidade, disciplina, profissionalismo e convivência social.
Os projetos teatrais de Luiz Roberto Pinheiro são espetáculos infantis com duração de 01 (uma) hora, seguindo a linha de teatro infantil exclusivamente para crianças, com componentes tradicionais revistos e modernizados, uma vez que a criança de hoje não aceita a ordem sem uma explicação, pois nada é simplesmente “certo” ou “errado”.
Sem interferir nas suas características e respeitando os profissionais contratados, os espetáculos tem produção com qualidade clássica.

Nossa única orientação é que trate a criança como criança, respeitando sua inteligência e o seu alto grau de exigência, e dando a ela um espetáculo altamente estético e extremamente luxuoso.

Os espetáculos têm, portanto, como referência, a criatividade, o luxo e a alegria, pois só assim poderemos conquistar a identificação do público, sua participação e consequente retorno.

Confiram uma amostra de nosso trabalho no nosso site:
http://www.pinheiroproducoes.com.br


Olha só que legal, o espetáculo tem:

60 minutos de duração;
120 peças no figurino;
10 perucas;
12 cenários;
04 projeções multimídias;
04 projetores de ultima geração;
112 profissionais envolvidos direta e indiretamente;
06 efeitos especiais;
38 adereços de cena.



ELENCO
DAVI CASTRO & VÍCTOR ALENCAR  se revezam no papel de CHARLIE BUCKET
MÉRCIA VIEIRA........................................................VERUCA SALT
LISTER ARAÚJO........................................................MIKE TEAVEE
KAUANY SETÚBAL....................................................AUGUSTUS GLOOP
LIA MACHADO.........................................................VIOLET BEAURE
GABI ABREU............................................................SENHORA BUCKET
GUILHERME DE PAULA.............................................VOVÔ GEORGE
GARDÊNIA MATOS...................................................SENHORA SALT
LUIZ FERNANDO EUZÉBIO.........................................SENHOR TEAVEE

Atores convidados: TONI GIDRÃO como  SR. BUCKET
ISADORA CASTRO como Sra. GlOOP
Apresentandor: MARCOS PAULO MOREIRA como Willie Wonka


FICHA TÉCNICA
TEXTO E DIREÇÃO...........................................Luiz Roberto Pinheiro
Assistente de direção......................................Marcos Paulo Moreira
Música.............................................................Can Kambay
Coreografia......................................................Larisse Queiroz
Telões cenográfico...........................................Roberto Rodrigues
Animação gráfica.............................................Mandra Filmes
Cenários virtuais..............................................Paulinho Pessoa
Figurino............................................................Leleko Diaz
Microfones, projetores ...................................Marden Pereira
Luz...................................................................  Igor Dias
Onofre Filho.................................................... maquinista/direção de palco
Voz do locutor do telejornal............................ André Pimenta
Edição e efeitos de trilha sonora.....................Álvaro Martins
Marceneiro:.....................................................João Oliveira
Costureiras:..................................................... Cida e Marieta
Serralheiro.......................................................Charles Coelho
Contra-regras...................................................Luiz Fernando e Guilherme
Pesquisa...........................................................Marcos Paulo/Luiz R Pinheiro
Arte visual........................................................Rozy Campos
Fotografia........................................................Henrique Ishib
Assessoria de Imprensa:.................................. Claudinha Fernandes Produções
Assessoria Juridica...........................................Darlene Liberato
Divulgadores: ..................................................Marques Matos, John Santos
Secretaria........................................................ Rose Hipólito
Realização:...................................................... Pinheiro Produções Artisticas









SERVIÇO:

Dia: 09 de abril (domingo), às 17 horas
Local: Teatro Madre Esperança Garrido (Av. Contorno, 241 - St. Central, fone:(62) 3212-3531, Goiânia, Goiás.
Preço: R$ 70 reais a inteira e R$ 35,00 a meia entrada (crianças, estudantes e acima de 65)
Não aceitamos cartões.
 
www.compreingressos.com.br (compra com cartão de crédito).


DESCONTOS
-
www.curtamaispormenos.com.br
-Portador do cartão Unimed tem 50% de desconto na compra de até dois ingressos inteiras. A meia-entrada não dá direito a desconto.

INDICAÇÃO: acima de 03 anos
DURAÇÃO DO ESPETÁCULO: 60 minutos (sem intervalo)
RESTRIÇÕES: celular ligado, alimentos e bebidas, crianças de colo, fotos e filmagens sem autorização da produção do espetáculo.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Naya Fernandes no Dancehall Brazil Weekend 2017







Vídeo da dançarina e coreógrafa Naya Fernandes na segunda edição do Dancehall Brazil Weekend 2017, evento que aconteceu nos dias 28 e 29 de Janeiro na cidade de Goiânia já está no ar!!!!!!

A dançarina e coreógrafa faz parte do casting da produtora #ClaudinhaFernandesProduções (muito orgulho disso =)) e deu aula no evento, coloco abaixo um texto que ela postou em sua rede social demonstando a alegria e emoção de ter participado:


"Difícil descrever a sensação que tive esse dia, nesse evento, com essas pessoas! Eu estava mancando de dor no dia, mas eu tive um time de amigos que não me deixaram na mão , Karla Mendes Full , Thiago Spósito , Carolina Mercado , Mateus Dos Anjos e Israel Alves-Full ,aprenderam a coreo no camarim e me ajudaram não só na aula, mas na energia surreal!
Tive ali também compartilhando esse momento comigo minha mãe/produtora Claudinha Fernandes e a primeira professora que acredito...u em mim e fez eu crer que tudo era possível, até hoje carrego MUITO dela comigo Maíra Jayme .
Quanto aos alunos, sei nem o que dizer, foi uma troca tão sincera que só quem tava pra entender ... Obrigada de coração Thiago Spósito e Mare Rela pelo convite, foi um evento lindo que me renovou as energias e me deixou com vontade de mais. A cena dancehall do nosso país tá cada vez mais forte e bonita.. precisamos unir mais e mais as forças pra continuarmos firmes, fortes e com sabedoria essa jornada!

Obrigada Gislaine Miyono por esse registro tão lindo!
Obrigada também Raul Sousa , Tamiris Bianco Spinelli , Mateus Dos Anjos , Tatiana Araújo e Matheus menino de ouro por esse final de aula!



MUITO AMOR E RESPEITO POR CADA UM DE VCES! 
 ESPERO QUE GOSTEM E CONSIGAM SENTIR UM POUCO DO QUE SENTI NESSE MOMENTO. "

terça-feira, 14 de março de 2017

III FRONTEIRA Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental em Goiânia




Entre os dias 16 e 25 de março, Goiânia se transforma na capital mundial dos filmes documentários, experimentais e sonoros produzidos nas mais diversas partes do planeta. Neste período, acontecem conjuntamente a terceira edição do Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental (FFF) e a primeira edição da Bienal Internacional do Cinema Sonoro (BIS). Um tratado de cooperação sobre uma produção cinematográfica contemporânea, que não está nos catálogos das grandes salas de exibição, mas que representa a diversidade e a riqueza do mundo audiovisual enquanto produto de manifestações culturais e ideológicas.

Olha só que bacana, nestes dez dias, as atividades e mostras acontecem nas duas salas do Cine Ritz (Rua 8, Centro), no Cine Cultura (Centro Cultural Marieta Telles Machado) e no Centro Cultural da UFG (Praça Universitária), fácil de chegar e várias opções de salas de exibição.O Fronteira é realizado pela produtora Barroca e conta com recursos do Fundo Estadual de Cultura de Goiás, da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Goiás (Lei Goyazes) e da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. Já o BIS é uma realização da F64 Filmes, com apoio do Fundo Estadual de Cultura de Goiás e da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. 

A abertura dos dois eventos é conjunta e acontece no CINE RITZ, NA QUINTA - FEIRA, 16 DE MARÇO, ÀS 20h, com ENTRADA FRANCA. Neste dia, o público de Goiânia terá, mais uma vez, a chance de cruzar seu cotidiano com a obra de uma mulher nova-iorquina convulsa, que retira os pingos dos “is” e os transforma em holofotes, propondo uma leitura de mundo que não passa pela linearidade ou pelas convenções poéticas do cinema catártico.


A terceira edição do Fronteira Festival do Filme Documentário e Experimental traz a Goiânia uma mostra dedicada aos filmes da cineasta portuguesa Rita Azevedo Gomes. Uma retrospectiva que contará com exibições de seus principais trabalhos e com a presença da própria artista, que participará de debates após as sessões.

“Seu trabalho é uma espécie de desdobramento do teatro, da pintura e da literatura até se transformar em imagem de cinema, sempre em busca das pulsões mais íntimas e frágeis de seus personagens e de si, criando experiências raras de cinema e de vida. Um cinema impregnado de poesia, ao mesmo tempo, um atestado da resistência do cinema como arte possível ainda nos dias de hoje." Segundo Rafael Parrode, curador da Retrospectiva Rita Azevedo Gomes.

O evento faz também um outro recorte, intensificando ainda mais sua resistência estética e política. Uma atitude provocada por um cenário brasileiro em que a democracia é questionada, colocando em pauta as lutas da classe trabalhadora, das minorias étnicas, raciais e de gênero. Segundo seus organizadores, “Se há um motivo para nos reunirmos em torno de filmes e do problema do cinema e da expressão da imagem e do som, é a urgência de partilharmos formas de resistência e luta".

O Fronteira tem como propósito a difusão e a reflexão do cinema documental, experimental e de todo aquele que desafia os limites da linguagem. De acordo com Marcela Borela, que faz parte da direção do festival, a escolha por esses gêneros passa por uma decisão política, para além da questão estética. “A escolha do documentário valoriza o risco do real. E o experimental coloca a questão da percepção adiante de qualquer tipo de representação. São cinemas necessariamente questionadores de visões pré-fabricadas de mundo. Colocam novas maneiras de ver, pensar e sentir a realidade. Eles também tendem a expor conflitos, idiossincrasias e contradições da experiência humana”, explica.

Foram selecionados para as mostras competitivas de curtas e longas metragens 06 longas e 16 curtas, vindos dos mais diversos países como: Brasil, Colômbia, Equador, Argentina, México, Síria, EUA, Jamaica, Portugal, Espanha, França, Reino Unido e Filipinas. O resultado está disponível no site:ww.fronteirafestival.com.


Entre os dias 20 e 22 de março de 2017 acontece o VER CINEMA – Encontro Internacional de Programadores de Cinema.

O evento é gratuito, aberto a toda a população e ocorre no formato de 3 (três) mesas temáticas, que reúnem convidados brasileiros e estrangeiros, que participam do encontro como colaboradores propositivos. Para aqueles que desejarem um certificado, é necessário fazer a inscrição por meio do link: http://migre.me/wa7IN
.
Uma visão original do cinema contemporâneo focada no desenvolvimento da linguagem sonora. É a partir desta ideia que surge a Bienal Internacional do Cinema Sonoro (BIS), que faz sua estreia em 2017. "A dominação do cinema mainstream nas salas goianas e brasileiras e a vocação dos festivais, críticos, produtores e mesmo diretores em valorizar a imagem em detrimento do som nos impulsionou a conceber o BIS”, explica Belém de Oliveira, diretor artístico da Bienal. O enfoque no aspecto sonoro é dado a fim de valorizar e incentivar a análise crítica e a inovação da escritura do som nas produções cinematográficas de curta e longa duração realizadas em Goiás, no Brasil e no mundo.
Com mostras competitivas e não competitivas, oficinas, palestras, laboratórios, debates, encontros e master class, o festival é todo centrado no som. Estudantes e profissionais do cinema, bem como técnicos de som, cinéfilos e demais interessados são o público alvo da Bienal. As inscrições estão abertas e devem ser feitas através do site www.bis.art.br.



SERVIÇO:




III Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental

+

Ver Cinema -  – Encontro Internacional de Programadores de Cinema

+

I BIS – Bienal Internacional do Cinema Sonoro


16 a 25 de março – Cine Ritz, Cine Cultura e Centro Cultural UFG




























sexta-feira, 3 de março de 2017

O Bom filho sempre a "sua casa" retorna




O pianista, compositor, arranjador, produtor e diretor musical Ricardo Leão acumula uma extensa carreira musical, com importantes participações em trilhas musicais para TV, Teatro e Cinema.

Como produtor e compositor musical, acaba de lançar o CD A Lei do Amor - Música Original de Ricardo Leão (Som Livre), com participações de instrumentistas renomados como o violoncelista Jaques Morelenbaum, o violinista Daniel Guedes, os violonistas Ricardo Silveira, Jairo Reis e Pedro Braga, o baixista Bororó, além de outros grandes músicos.


Feita sob medida para narrativa da novela da TV Globo, das 21 músicas instrumentais que compõem o CD, 20 faixas são inéditas e autorais, e traz uma releitura: a clássica “Asa Branca” de Luiz Gonzaga (Bônus Track).

Ricardo conta que foi um desafio trabalhar nas músicas do CD, onde colocou nos temas dos personagens e nas músicas incidentais toda a vivência adquirida. "Quando fui convidado por Denise Saraceni (Diretora Artística) e por Marcel Klemm (Gerencia Musical TV Globo) para fazer a música de A Lei do Amor  senti aquela  ansiedade de um iniciante compondo a  sua primeira trilha. Tanto é que quando me perguntam quanto tempo levei para compor e gravar a trilha respondo: 57 anos”, comenta Leão. De fato, talentoso e dedicado, ele colocou toda sua vida e experiência nesse trabalho incrível.

Durante as gravações nos estúdios Jaula do Leão e Fibra, Ricardo se dividiu também entre execução, arranjos e orquestrações (exceto nas faixas “Romance” e “Idas e Vindas”, que teve orquestração, transcrição e regência do maestro Vittor Santos). Mas não é só de pentagramas, figuras e notas musicais que se baseia o trabalho de um produtor musical.
Ideias diferenciadas são essenciais para complementar a ambientação musical. Para criar as composições, Leão foi para o interior das cidades de Goiás e de São Paulo e gravou violas caipiras com músicos locais.  Não por acaso a cidade fictícia de São Dimas fica no interior paulista, onde se passa a novela.


Ao lado dos músicos, o maestro Jaques Morelenbaum arranjou seu violoncelo ao contexto musical proporcionando um encontro inusitado e original, colocando a música de raiz lado a lado com a música erudita - essa mistura pode ser ouvida nas faixas "São Dimas", “O Dom”, “Triste Helo” e “Os Reveses”.  “Usei o violoncelo de Morelenbaum também como um instrumento de percussão e de efeitos sonoros causando um misto de tensão e estranheza nas cenas de suspense da novela”, explica.
O CD traz também uma orquestra de cordas e madeiras com 16 instrumentos – a cargo dos violinistas Ricardo Amado, Daniel Guedes, Antonella Pareschi e do clarinetista Dirceu Leite.
Os pianos foram gravados em três locais diferentes, o que proporcionou sonoridades diferentes para situações diversas na confecção da trilha.  Para gravar o tema "As Águas de São Dimas", Ricardo convidou o percussionista Alex Fonseca que gravou as percussões tocando em bacias, gamelas e baldes cheios de água. Ele explica o efeito desejado: “O ritmo extraído das águas fez um contraponto com os Cellos sincopados e os violinos intensos e cheios de lirismo”.
O goiano Ricardo Leão é detentor de vários prêmios e traz a sua assinatura em aproximadamente 300 discos.  É hoje um dos músicos mais atuantes da cena musical brasileira.
Em um dia único teremos esse espetáculo maravilhoso de Ricardo leão e Orquestra Sinfônica de Goiânia com "A Lei do Amor"!!!!
Serviço:
Ricardo Leão e Orquestra Sinfônica de Goiânia: A Lei do Amor
Data: Dia 9 de março de 2017
Local: Teatro Sesi – Goiânia
Endereço: Av. João Leite n. 1013 Setor Santa Genoveva
Telefone:3269 0803
Horário:20h
Entrada Gratuita
Capacidade: 600 lugares
Classificação etária: 10 anos
Acesso para pessoas com deficiência: Sim